Moto Z2 Force se destaca pela tela "inquebrável", mas patente da Motorola mostra tela que se recupera sozinha

Documento descreve uso de polímero especial. Modelo mais recente, o Moto Z2 Force já oferece uma tela descrita como “inquebrável”.

A Motorola registrou a patente para uma tecnologia que é capaz de reparar sozinha danificações na tela do celular. Segundo a patente, o display poderia se recuperar de estragos provocados por impactos, como trincas e rachaduras. A ideia, que faz uso de um polímero especial, busca desenvolver um tipo de material transparente que não apenas ofereça mais resistência a danos, como também tenha capacidade de se restaurar após acidentes mais sérios.

Apesar disso, vale lembrar que a concessão da patente não garante que a tecnologia já esteja pronta. Também não é possível afirmar que o recurso será aplicado efetivamente nos celulares da marca no futuro.

Moto Z2 Force se destaca pela tela "inquebrável", mas patente da Motorola mostra tela que se recupera sozinha

Moto Z2 Force se destaca pela tela “inquebrável”, mas patente da Motorola mostra tela que se recupera sozinha

O princípio de funcionamento do material criado pela Motorola usa calor. O polímero tem características similares às das memory foams (espumas de memória, em português) e tende a restaurar sua forma quando submetido a altas temperaturas. Caso a ideia se comprove viável comercialmente, a tela que se recupera sozinha pode aposentar o vidro “inquebrável” do Moto Z2 Force.

ssim, sempre que o display sofresse algum dano e precisasse ser reparado, seria necessário apenas aquecer o telefone para que polímero agisse, consolidando-se em um arranjo que cobriria os danos. A Motorola menciona, inclusive, a possibilidade de usar um aplicativo para orientar o processo de produção de calor pelo próprio celular para ativar o composto da tela.

Patente descreve um material capaz de reagir ao calor, recuperando quebras e trincas na tela (Foto: Divulgação/USPTO)

Patente descreve um material capaz de reagir ao calor, recuperando quebras e trincas na tela (Foto: Divulgação/USPTO)

Alguns detalhes dessa tecnologia, caso venha mesmo aparecer em produtos da marca, ficam em aberto, como a possibilidade de o polímero não ser confortável ao toque dos dedos como o vidro. Além disso, não há informações sobre a vida útil do material, principalmente depois de constantes ciclos de aquecimento, que podem comprometer a tela que se restaura sozinha.

Com informações: USPTOEngadget e The Verge